Com a palavra: Richard Thaler e Cass Sunstein, os autores de “Nudge” (2008)

Featured | Indicações | Políticas Públicas

Por Flora Finamor Pfeifer em setembro 25, 2018

Em comemoração ao aniversário de 10 anos da publicação do livro “Nudge: improving decisions about health, wealth and hapiness” (2008), o site Behavioral Scientist lançou um especial de coletâneas sobre o tema. Richard Thaler e Cass Sunstein respondem a Q&A’s para fechar o especial do Nudge Turns 10“.

Thaler reforça o fato de que, de início, este era um livro que nenhuma editora queria publicar, e hoje há mais de 200 “Nudge Units espalhadas pelo mundo. Explica, ainda, que Nudge não se resume à economia comportamental e, na realidade, muito do que vem sendo aplicado baseia-se mais na psicologia. Por tal razão, defende o uso do termo “ciências comportamentais” ao tratarmos de tais aplicações!

“First of all we need to vanquish the idea that “nudge = behavioral economics.” Nudging, or even public policy applications, are just a tiny portion of the research going on in behavioral economics these days. And the tools that have been used by so-called nudge units have relied on psychology more than behavioral economics. I try to get people to use the term behavioral science instead, which this publication helps to do!”

Identifica na saúde uma área com alto potencial de desenvolvimento de aplicações, com destaque para o tratamento de doenças como diabetes. Ressalta ai o objetivo de tornar certos comportamentos “automáticos”.

Fala também sobre sua preocupação com o “sludge”, o “nudge do mal”, reforçando seu pedido-assinatura: “nudge for good”.

Sunstein, por sua vez, identifica na redução da pobreza a área com maior impacto potencial para a aplicação de Nudges. Defende: “All over the world, people are suffering from severe deprivation. The public and private sectors could do much more to help. Making it easier for people to obtain access to that help—educational opportunities, employment, medical care, food, even clean water—could do so much to improve people’s lives.”

Comenta sobre três interpretações errôneas sobre os Nudges: de que são uma forma de “manipulação”, de que são políticas menores só capazes de apresentar resultados pequenos e de que afasta intervenções mais rígidas e fortes.

Fala, por fim, um pouco da relação dos dois, que rendeu uma parceria tão frutífera:
“We had, and continue to have, a lot of fun! We laugh together a lot. That is maybe the secret sauce. We also have complementary backgrounds. My focus is on law and public policy, with a keen interest in behavioral economics. He’s the most important figure behind behavioral economics, with a keen interest in law and public policy. That’s a perfect mix, I think.”

Confira os Q&A’s na íntegra aqui:
http://behavioralscientist.org/nudge-turns-10-a-qa-with-cass-sunstein/
http://behavioralscientist.org/nudge-turns-10-a-qa-with-richard-thaler/

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *