Nudges em ação: o caso do Peru

Políticas Públicas

Por master em junho 21, 2018

 

No último mês, participamos do Seminário em Insights Comportamentais e Políticas Públicas, da ENAP (Escola Nacional de Administração Pública), em Brasília. Em um dos painéis, fomos apresentados ao trabalho realizado no Ministério da Educação do Peru, através do departamento interno chamado Minedulab, exposto a nós por Annie Constanza Chumpitaz Torrez.

 

Em 2013, no contexto de reforma educacional nacional, o Minedulab foi criado, tendo como inspiração o Behavioral Insights Team (BIT), da Inglaterra (mais informações aqui nesse post). Surge como um espaço dentro do Ministério de Educação que permite testar novas ideias, através do desenho e experimentação de políticas de baixo custo. Preza pela avaliação rigorosa e geração de evidência, visando o escalonamento, e utiliza métodos experimentais e dados administrativos para tal. Atende problemas prioritários do setor e não interfere na política em curso.

 

O departamento se organiza em dois setores: a equipe de “investigadores”, alinhada com o que está sendo aplicado no contexto mundial, muitas vezes atuando em parceria com grandes associações internacionais, e a equipe de “implementação”, associada ao ministério, que atua na construção conjunta da aplicação com os interesses alinhados. É aberto, também, a parcerias com o setor privado, em ações mutuamente benéficas.

 

Falemos agora de um de seus principais projetos aplicados: o “Expande Tu Mente!”. Seu objetivo é uma melhora nos níveis de aprendizado, motivação e engajamento dos estudantes e, para tal, ele visa alterar os paradigmas dos estudantes sobre sua própria inteligência. Entre as motivações para sua implementação estavam o baixo nível de aprendizagem e o grande lapso entre o desempenho urbano e rural.

 

Baseado na teoria da psicologia de “auto-teorias de la inteligencia” (Banderas y Dweck, 1985; Dweck y Legget, 1988), foi-se elaborado um conteúdo informativo e um método de implementação sobre a “mente em expansão”. A metáfora feita é de que seu cérebro é como um músculo: quanto mais se pratica, melhor você fica.

 

Para engajar os alunos em tal tema, foi feita a leitura e discussão do artigo (90 minutos), seguido por uma redação de carta aos colegas de classe contando o que foi aprendido. Por fim, a informação ficava exposta em forma de poster nas salas de aula.

 

Tal projeto foi aplicado em 400 escolas, atingindo um total de 50 mil estudantes (grupo de tratamento); as escolas estavam tanto na zona urbana (Lima, capital) quanto na rural (Acachi y Junin). A medição de seu impacto foi feita através da Evaluación Censal de Estudiantes (ECE).

 

Observou-se, como resultado, um impacto significante em matemática – que foi maior ainda nas áreas pobres e rurais. Dado sua eficácia, o conteúdo foi traduzido para outras línguas e a política está sendo replicada em outros países.

 

Outras inovações com impacto positivo liderada pelo departamento são: o SMS aos diretores de escolas visando a manutenção destes estabelecimentos; vídeo para pais e estudantes explicando os retornos e oportunidades de financiamento de Educação Superior; SMS motivacionais para professores; e panfletos com resultados comparativos do ECE por escola.

 

Essa unidade de implementação de nudges peruana representa um grande potencial para o avanço da literatura da aplicação de insights comportamentais em países em desenvolvimento. O imapcto dos nudges está sujeito aos contextos, culturas e propósitos – por mais que EUA e Europa tenham muito material na área, há extensas diferenças estruturais e sociais destes países para o contexto latinoamericano. Com estes casos – de sucesso – no Peru servindo de exemplo, abre espaço para que iniciativas similares sejam implementadas no Brasil.

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *