Nudges e Mobilidade Urbana: como uma simples ideia melhora seu caminho

Políticas Públicas

Por Flora Finamor Pfeifer em maio 21, 2018

Um dos principais problemas de São Paulo é a demora para se locomover. Parte é explicada pelo trânsito nas vias; horas de pico lotam transporte público e acabam atrasando o percurso; quando há algum evento extraordinário – como a Av. Paulista em dia de protesto – o melhor é nem sair de casa. Pessoalmente, é uma das situações em que sinto mais frustração no dia a dia. E esse sentimento é, essencialmente, motivado pelo fato de eu ter feito uma má escolha. Se soubesse antes quais as vias congestionadas, quais os horários mais indicados, quando o ônibus vai passar, talvez não perdesse tanto tempo indo de um lugar pro outro.

O transporte, na maioria das vezes, é motivado por rotinas. Casa, trabalho, faculdade: é necessário cruzar a cidade para chegar nas suas obrigações. Todo dia. O mesmo percurso. E isso acaba tornando-se um hábito, enraizado nas partes primitivas do nosso cérebro, tornando as ações e escolhas referentes a isto automáticas. (Palavras de alguém que, vindo de cidade pequena, já foi parar na Luz querendo chegar no Butantã e já confundiu Vila Madalena com Vila Mariana – juro que é difícil quando é tudo novo – e hoje faz a baldeação de olho fechado. Tem vezes que eu nem lembro do percurso, imersa em alguma outra atividade!)

Nos últimos dois parágrafos identifiquei, então, diferentes formas do processo de tomada de decisão que cercam esse mesmo objetivo e, consecutivamente, a abertura para a aplicação de Nudges através de uma dessas duas estratégias. Hora chamando atenção para o sistema 2, disponibilizando mais informação para que se tome a melhor escolha, hora com detalhes sutis na própria arquitetura e design dos meios públicos que afetam nossa decisão do Sistema 1.

Amante da economia comportamental do jeito que sou não posso deixar de perceber algumas modificações recentes feitas na Linha Amarela que, a meu ver, enquadram-se como Nudges, visando influenciar nossas escolhas para melhorar o descongestionamento. Me pergunto se há alguém por trás disso familiar a estes conceitos, e se há interesse em ser ainda mais ousado nas aplicações. Mas devo admitir que os painéis com informação sobre quais vagões estão cheios ou vazios e quanto tempo tenho até o metrô chegar, um Nudge de acessibilidade de informação, ajuda muito minha vida. Tem também um painel de led que pisca indicando o caminho para a escada normal, um pouco mais escondida que a rolante, a fim de captar a atenção, que passa a ser uma excelente alternativa quando a outra está lotada.

Em Chicago, quando o metrô lota devido aos jogos do time local, é enviado um sms com desconto para uma corrida de Uber e demais aplicativos, visando bajular os usuários a evitar horários de pico. Essa aplicação reduziu a congestão em 17%. Além de melhorar o fluxo metroviário e afetar aspectos econômicos e logísticos, contribui na melhora da qualidade de vida. Tal iniciativa foi aplicada através da ação conjunta da empresa Ideas42 e iniciativas governamentais municipais. Recentemente a 99 taxi colocou posters por toda a Estação Butantã alertando sobre um desconto para usuários que vão a USP, talvez como alternativa ao lotado circular (ao qual os alunos não tem custo). Nos horários de pico (entrada de aula) é algo interessante – principalmente pros que estão constantemente atrasados como eu! Interessante aqui seria tentar replicar a iniciativa de Chicago – olha a estrutura já pré pronta!

Hábito comum ao paulista mas desconhecido para os forasteiros, “deixar a esquerda livre” é a salvação para os trabalhadores apressados. Mas quando alguém não respeita – situação comum, devo dizer – um certo desconforto é gerado. Ora, estando nós em modo automático, quem não cultivou essa norma social demora pra se adaptar – por vezes não se tem o adesivo, ou não se entende, ou nem se percebe! Um modo de despertar isso, logo, é introduzindo elementos criativos de design que chamam a atenção do passageiro – e o faz, naturalmente, seguir o hábito arraigado (com mais eficácia do que os adesivos padrão). O mesmo princípio pode ser aplicado para estimular o uso de escada fixa (em contraponto com a rolante e elevadores). Segue alguns exemplos:   

mobilidade1.png
No sentido anti-horário: Nova Iorque, Utah e Japão

mobilidade2.png

(Estocolmo, Suécia)

mobilidade3

(Hamburgo, Alemanha)

mobilidade4

Alternativas simples, mas muito efetivas!

Uma outra questão enfrentada na manutenção dos transportes públicos é a limpeza. Nos metrôs está muito presente a Teoria da Vidraça Quebrada, apresentada em 1982 por Wilson e Kelling. Dizem eles que, se um edifício possui vidraças quebradas, outras janelas serão alvo de vandalismo em breve, pois a falta de reparo da uma impressão de descaso, o que leva a novos atos de destruição.

Isso de fato ocorre. O metrô possui um alto número de assentos que são quebrados, e o custo é mais baixo quando a reparação é feita o mais rápido possível – caso contrário, aumentam as taxas de vandalismo, o que incorre em mais custos. O mesmo ocorre pro lixo nas estações ou a manutenção dos sanitários. Iniciativas ao redor do mundo buscam, pois,  influenciar a ação de manutenção.

mobilidade5

País de Gales

Brasil (ativação marketing ESPN); Inglaterra

Em Singapura, foi aplicado um Nudge visando aumentar a taxa de respeito aos assentos preferenciais. Além de serem indicados com uma cor diferente e chamativa, foi-se colocado frases que inspiram a cidadania e a gentileza.

mobilidade8

Um artigo do Laboratório de Mobilidade do MIT, por sua vez, explora se mudar a aparência dos mapas das linhas de metrô interfere nas escolhas de rotas com baldeação. A abordagem está sendo testado para o caso de Washington, D.C., através de uma plataforma de crowdsourcing, buscando fazer parecer mais extensa as linhas mais congestionadas, a fim de ver se as pessoas passam a evitá-la e optam pelas subutilizadas.

E você? Conhece algum outro Nudge que pode ser aplicado nesta questão de mobilidade urbana e transportes públicos?? Ou tem alguma ideia de aplicação?

mobilidade9

Leia mais em:

https://pt.linkedin.com/pulse/um-empurr%C3%A3ozinho-transporte-p%C3%BAblico-tiago-rodrigo-dos-santos

http://www.nudgeslab.com/index.php/respeitar-os-assentos-reservados/

https://mobility.mit.edu/publications/9999/guo-redesigning-subway-map-mitigate-bottleneck-congestion-experiment-washington-dc

https://making-cities-safer.com/nudging-traffic/

http://nudges.org/tag/traffic/

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *